20140617070955305476iEstudo curioso do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) com base nos 32 países que disputam a Copa do Mundo mostra que o Brasil, embora seja um dos favoritos a levantar a taça, ocupando a terceira melhor posição no ranking da Fifa, é o sétimo na relação arrecadação de impostos/Produto Interno Bruto (PIB) e o 29º num índice que mede o retorno dos tributos à população por meio de serviços de qualidade na educação, na saúde e em outras áreas. “Estamos à frente apenas da Nigéria, Costa do Marfim e da Bósnia e Herzegovina, que oferecem as piores condições aos habitantes pelo que pagam de impostos”, disse o advogado João Eloi Olenike, presidente-executivo da entidade.

O levantamento, batizado de “Copa do Mundo da economia e tributação”, mostra que a carga tributária no Brasil corresponde a 36,27% do PIB (R$ 2,242 trilhões) – esse dado é de 2012, quando o PIB dos Estados Unidos, o maior entre os 32 países que jogam a Copa, fechou em US$ 16,8 trilhões. Por outro lado, o indicador que mede como o poder público aplica os tributos arrecadados em investimentos à população, criado pelo IBPT e chamado de Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade (Irbes), revelou que a nota brasileira foi 135,34.

Quanto maior o valor do Irbes, melhor é o retorno dos serviços de qualidade à população. O Irbes é o resultado da soma da carga tributária com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), calculado pela Organização das Nações Unidas (ONU), e que leva em conta áreas como expectativa de vida, saúde, educação. Os Estados Unidos, com nota 165,78, lideram o ranking. No caso da relação impostos sobre o PIB, o maior percentual foi apurado pela França (45,34%), seguida de perto pela Itália (44,40%).

O Brasil também não vai bem no ranking que mede a renda per capita, que reflete um dos melhores coeficientes para expressar a distribuição da riqueza de uma nação. Dos 10 países com maiores rendas per capita sete são europeus: Suíça, Bélgica, Holanda, Alemanha, França, Inglaterra e Itália. “A Itália, Espanha, Grécia e Portugal, mesmo após a recente crise mundial e tendo passado por rígidos ajustes econômicos, aparecem melhor que o Brasil no quesito renda per capita”, diz Olenike.

RENDIMENTO

O Brasil, destaca o estudo do IBPT, é a sétima economia mundial, contudo, quando o quesito é renda per capita, o país ocupa a 20ª posição no ranking, com US$ 11,152 mil/ano. A da Suíça, a melhor colocada, é de US$ 85,735 mil. A distribuição de renda no país europeu é 61,5% maior que a dos Estados Unidos, a nação mais rica do planeta, com US$ 53,08 mil/ano.

Por outro lado, o PIB americano corresponde à soma dos 27 primeiros países, na ordem do menor indicador para o maior (32ª posição à 4ª posição), incluindo o do Brasil (US$ 2,242 trilhões). Por sua vez, o PIB nacional é maior do que a soma dos 15 primeiros países, desde que na mesma ordem, do menor para o maior.

Fonte: EM

This article has 2 comments

  1. João Carlos Loebens

    O artigo traz afirmação errônea, baseada em fundamentação parcialmente verdadeira e conclusão falsa.

    O estudo do IBPT faz uma associação direta entre carga tributária/PIB com índice IDH de alguns países. Esses 2 indicadores não tem correlação direta e por isso conduz/embasa uma conclusão falsa (… 29º num índice que mede o retorno dos tributos à população…).

    Para medir índice de retorno de impostos deve ser levado em consideração o número de pessoas de cada país, o que implica em considerar a renda per capita. Dito de outra forma, significa considerar o valor de impostos arrecadado por habitante (impostos que por sua vez serão aplicados “nesses habitantes” – correlação correta).
    A carga tributária (percentual do PIB) no Reino Unido e Brasil são praticamente iguais, mas o valor dos impostos por pessoa é muito maior no Reino Unido que no Brasil (no RU é mais do que 3x superior ao Brasil). Ou seja, é falso medir igualmente o retorno de impostos no Reino Unido e no Brasil.

    Seria como comparar o índice de retorno para com os filhos de 2 pais que tem o mesmo salário, sendo que um tem um filho e outro tem 4 filhos.

    Abraços,

    João Carlos Loebens

    • Gabriel Peixoto

      Bom dia João Carlos Loebens,

      Agradecemos muito seu comentário.

      Ele enriquece imensamente teste debate tão importante para todos nós.

      Cordialmente,
      Gabriel Peixoto