O dono da financeira Crefisa perdeu uma fortuna na Justiça após ser condenado por uma fraude multimilionária. O empresário José Roberto Lamacchia, que é investigado pela Polícia Federal e responde a processos por estelionato e formação de quadrilha, foi condenado pelo Superior Tribunal de Justiça a pagar R$ 500 milhões a uma faxineira aposentada envolvida, sem o conhecimento dela, no esquema criminoso. As informações são da Istoé Dinheiro.
A Crefisa é uma das únicas financeiras do país a emprestar dinheiro para servidores públicos e aposentados com o nome sujo. E foi com esses serviços financeiros que Lamacchia construiu um patrimônio bilionário.

O capital social da financeira, que era de R$ 60 mil, em dezembro de 2006, foi multiplicado em 2.733%, para R$ 1,7 milhão, em junho de 2015. No mesmo período, o patrimônio líquido da Crefisa, de R$ 157,8 milhões, saltou 1.522% para R$ 2,56 bilhões.

A financeira especializou-se em um tipo de empréstimo pessoal bastante lucrativo, que não segue o habitual modelo de crédito consignado com desconto em folha de pagamento. Os clientes aceitam o débito automático das parcelas em suas contas correntes bancárias. Embora a inadimplência da Crefisa esteja perto de 40% do total emprestado, os juros altos garantem a lucratividade do negócio. Segundo o BC, as taxas superam 830% ao ano.

Segundo processo na Justiça, José Roberto incluiu a ex-faxineira Glória da Graça de Souza, de 67 anos, no quadro societário da Faculdades das Américas, outro negócio do grupo. Glória só descobriu que era sócia do empresário após ser intimada pela Polícia Federal. A suspeita é de que ela tivesse sido usada como laranja.
De acordo com a reportagem da Istoé, o empresário, desde quando passou a ser réu nos processos movidos por Glória, tentou retirá-la da sociedade com a intenção de preservar seu patrimônio que é superior a R$ 3 bilhões.

Fonte: Gazeta Online