No mês oficial das festas juninas, encontrarmos quermesses em igrejas, escolas e nos bairros em geral. No entanto, quem pretende prestigiar algum arraial deve preparar a carteira, já que a carga tributária não dá trégua nem em comemoração dos Santos, tornando as festas de Santo Antônio, 13, São João, 24, e São Pedro, 29, mais caras por causa dos impostos.

Segundo o levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), as bebidas estão entre os itens mais tributados como, o quentão que tem 61,56% de tributos; o vinho quente, com 58,29% e o refrigerante, nas versões lata 46,47% e garrafa 44,55%.

Nas guloseimas mais consumidas nas festas juninas, a incidência tributária é de 36,54% sobre a cocada, paçoca, pé de moleque e amendoim. A canjica tem 35,38% de impostos, a pipoca 34,99%; e o pinhão 24,07%.

Quem quiser aparecer nos eventos caracterizado de acordo com a época deve desembolsar em um vestido típico ou camisa xadrez, 34,67% de impostos, além do chapéu de palha, cujo valor leva aos cofres públicos 33,95% em tributos.

Fonte: O Povo