Presidente da Fiesp acredita que só o encaminhamento de reformas, como a PEC do teto, pode mudar cenário

Depois de um almoço com o prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), afirmou que a economia chegou ao “fundo do poço”, mas que ainda não observou a retomada do crescimento econômico do País.

Ele classificou como fundamental o apoio do Congresso Nacional para que o presidente Michel Temer realize as reformas que o país precisa, ao citar o teto de gastos públicos como primeira medida essencial.

“Eu sinto que a economia bateu no fundo do poço, não sinto que vai cair. Mas ainda não senti a retomada começar”, afirmou.

Skaf disse que espera a conclusão da tramitação da emenda constituição do teto de gastos, enviada por Temer ao Congresso, até dezembro e o encaminhamento de outras reformas no começo do ano que vem.

O presidente da Fiesp afirmou ainda que a entidade projeta um crescimento de 1% a 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017.

“Isso significa geração de empregos, retomada do fôlego, do oxigênio e aumento de arrecadação sem aumento de impostos”, afirmou.

Skaf e Doria almoçaram com o futuro presidente da SP Negócios, Juan Quirós, anunciado nesta quinta-feira para o cargo na administração da capital paulista.

No encontro, também estavam o prefeito reeleito de Salvador (BA), ACM Neto (DEM), e o prefeito eleito de Balneário Camboriú (SC), Fabrício Oliveira (PSB).

Fonte: Diário do Comércio