A Re­cei­ta Fe­de­ral tra­ba­lha pa­ra di­mi­nuir ain­da mais as bre­chas pa­ra o cha­ma­do pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo, ou co­mo di­zem os téc­ni­cos do fis­co, ini­bir os “mi­la­gres tri­bu­tá­ri­os” pro­me­ti­dos por con­sul­to­res às em­pre­sas com o ob­je­ti­vo de pa­gar me­nos im­pos­to. So­men­te nes­te ano, a fis­ca­li­za­ção pre­ten­de re­a­li­zar 532 no­vas ações fis­cais com po­ten­ci­al de R$ 100 bi­lhões em au­tu­a­ções de co­bran­ça tri­bu­tá­ria por in­dí­ci­os de so­ne­ga­ção por pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas.

A Re­cei­ta Fe­de­ral tra­ba­lha pa­ra di­mi­nuir ain­da mais as bre­chas pa­ra o cha­ma­do pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo, ou co­mo di­zem os téc­ni­cos do fis­co, ini­bir os “mi­la­gres tri­bu­tá­ri­os” pro­me­ti­dos por con­sul­to­res às em­pre­sas com o ob­je­ti­vo de pa­gar me­nos im­pos­to. So­men­te nes­te ano, a fis­ca­li­za­ção pre­ten­de re­a­li­zar 532 no­vas ações fis­cais com po­ten­ci­al de R$ 100 bi­lhões em au­tu­a­ções de co­bran­ça tri­bu­tá­ria por in­dí­ci­os de so­ne­ga­ção por pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas.

Em en­tre­vis­ta ao Va­lor, o sub­se­cre­tá­rio de Fis­ca­li­za­ção da Re­cei­ta Fe­de­ral, Iá­ga­ro Jung Martins, ex­pli­cou que o pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo é uma ope­ra­ção es­tru­tu­ra­da sem pro­pó­si­to ne­go­ci­al, na qual os fa­tos não cor­res­pon­dem à re­a­li­da­de da ne­go­ci­a­ção, com o ob­je­ti­vo de re­du­zir tri­bu­to.

Em en­tre­vis­ta ao Va­lor, o sub­se­cre­tá­rio de Fis­ca­li­za­ção da Re­cei­ta Fe­de­ral, Iá­ga­ro Jung Martins, ex­pli­cou que o pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo é uma ope­ra­ção es­tru­tu­ra­da sem pro­pó­si­to ne­go­ci­al, na qual os fa­tos não cor­res­pon­dem à re­a­li­da­de da ne­go­ci­a­ção, com o ob­je­ti­vo de re­du­zir tri­bu­to.

“Nor­mal­men­te, a sua ar­qui­te­tu­ra [do pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo] en­vol­ve ope­ra­ções en­ca­de­a­das que, se ana­li­sa­das iso­la­da­men­te, po­dem apre­sen­tar apa­ren­te li­ci­tu­de, po­rém, na aná­li­se em con­jun­to, não é ra­ro que trans­pa­re­çam ou­tra re­a­li­da­de, mui­tas ve­zes to­tal­men­te des­pro­vi­da de cau­sas ne­go­ci­ais”, con­tou.

“Nor­mal­men­te, a sua ar­qui­te­tu­ra [do pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo] en­vol­ve ope­ra­ções en­ca­de­a­das que, se ana­li­sa­das iso­la­da­men­te, po­dem apre­sen­tar apa­ren­te li­ci­tu­de, po­rém, na aná­li­se em con­jun­to, não é ra­ro que trans­pa­re­çam ou­tra re­a­li­da­de, mui­tas ve­zes to­tal­men­te des­pro­vi­da de cau­sas ne­go­ci­ais”, con­tou.

No pe­río­do de 2012 a 2017, a equi­pe e as de­le­ga­ci­as de fis­ca­li­za­ção de mai­o­res con­tri­buin­tes da Re­cei­ta iden­ti­fi­ca­ram R$ 420 bi­lhões em tri­bu­tos que não fo­ram pa­gos por em­pre­sas e pes­so­as ju­rí­di­cas de­vi­do à uti­li­za­ção do pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo. Es­ses va­lo­res po­dem ser ques­ti­o­na­dos pe­los con­tri­buin­tes ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te e ju­di­ci­al­men­te.

No pe­río­do de 2012 a 2017, a equi­pe e as de­le­ga­ci­as de fis­ca­li­za­ção de mai­o­res con­tri­buin­tes da Re­cei­ta iden­ti­fi­ca­ram R$ 420 bi­lhões em tri­bu­tos que não fo­ram pa­gos por em­pre­sas e pes­so­as ju­rí­di­cas de­vi­do à uti­li­za­ção do pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo. Es­ses va­lo­res po­dem ser ques­ti­o­na­dos pe­los con­tri­buin­tes ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te e ju­di­ci­al­men­te.

Martins des­ta­cou a di­fi­cul­da­de pa­ra iden­ti­fi­car e com­pro­var uma ope­ra­ção de pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo. Po­rém, afir­mou que as “ar­ti­fi­ci­a­li­da­des” uti­li­za­das pe­las em­pre­sas vi­san­do a re­du­ção — e até mes­mo o não pa­ga­men­to — de tri­bu­tos têm si­do de­tec­ta­das de for­ma mais fá­cil pe­la fis­ca­li­za­ção.

Martins des­ta­cou a di­fi­cul­da­de pa­ra iden­ti­fi­car e com­pro­var uma ope­ra­ção de pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio abu­si­vo. Po­rém, afir­mou que as “ar­ti­fi­ci­a­li­da­des” uti­li­za­das pe­las em­pre­sas vi­san­do a re­du­ção — e até mes­mo o não pa­ga­men­to — de tri­bu­tos têm si­do de­tec­ta­das de for­ma mais fá­cil pe­la fis­ca­li­za­ção.

Pa­ra ava­li­a­ção de uma ope­ra­ção de pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio, on­de há sus­pei­ta de abu­so, os téc­ni­cos da Re­cei­ta, con­for­me Martins, dei­xa­ram de olhar ape­nas a “fo­to” ou se­ja uma tran­sa­ção de for­ma iso­la­da. “Olha­mos o fil­me. A si­tu­a­ção an­te­ri­or e a atu­al. Du­ran­te mui­tos anos, até a pri­mei­ra me­ta­de dos anos 2000, a Re­cei­ta ‘olha­va’ des­sa for­ma, por fo­to”, con­tou o sub­se­cre­tá­rio. “A gran­de evo­lu­ção na fis­ca­li­za­ção foi jus­ta­men­te con­cen­trar es­for­ços da au­di­to­ria, in­ves­ti­gar e de­mons­trar o ar­ti­fi­ci­a­lis­mo des­se en­ca­de­a­men­to de ope­ra­ções.”

Pa­ra ava­li­a­ção de uma ope­ra­ção de pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio, on­de há sus­pei­ta de abu­so, os téc­ni­cos da Re­cei­ta, con­for­me Martins, dei­xa­ram de olhar ape­nas a “fo­to” ou se­ja uma tran­sa­ção de for­ma iso­la­da. “Olha­mos o fil­me. A si­tu­a­ção an­te­ri­or e a atu­al. Du­ran­te mui­tos anos, até a pri­mei­ra me­ta­de dos anos 2000, a Re­cei­ta ‘olha­va’ des­sa for­ma, por fo­to”, con­tou o sub­se­cre­tá­rio. “A gran­de evo­lu­ção na fis­ca­li­za­ção foi jus­ta­men­te con­cen­trar es­for­ços da au­di­to­ria, in­ves­ti­gar e de­mons­trar o ar­ti­fi­ci­a­lis­mo des­se en­ca­de­a­men­to de ope­ra­ções.”

A uti­li­za­ção de fun­dos de in­ves­ti­men­tos uni­pes­so­ais ou com pe­que­no nú­me­ro de in­ves­ti­do­res é um dos pla­ne­ja­men­tos tri­bu­tá­ri­os abu­si­vos iden­ti­fi­ca­dos pe­la Re­cei­ta. Tam­bém há si­tu­a­ções, con­for­me Martins, em que os in­ves­ti­do­res são bra­si­lei­ros tra­ves­ti­dos de não re­si­den­tes “si­tu­a­dos” em paí­ses on­de es­sas com­pa­nhi­as in­ves­ti­do­ras não têm con­sis­tên­cia fis­cal (sem ren­da ati­va, nem só­ci­os), o que re­sul­ta na não tri­bu­ta­ção em ne­nhu­ma das ju­ris­di­ções.

“Os não re­si­den­tes são uti­li­za­dos não ape­nas pa­ra pla­ne­ja­men­to tri­bu­tá­rio, mas tam­bém pa­ra blin­da­gem pa­tri­mo­ni­al”, ex­pli­ca.

No ano pas­sa­do, con­for­me no­ti­ci­a­do pe­lo Va­lor, a Re­cei­ta re­a­li­zou uma reu­nião com as mai­o­res ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras do país pa­ra co­mu­ni­car que iden­ti­fi­cou “for­tes in­dí­ci­os” de frau­de tri­bu­tá­ria en­vol­ven­do al­guns in­ves­ti­men­tos de não re­si­den­tes no Bra­sil. As in­ves­ti­ga­ções in­di­ca­vam que vá­ri­os in­ves­ti­do­res po­de­ri­am ser, na ver­da­de, bra­si­lei­ros em bus­ca dos be­ne­fí­ci­os fis­cais con­ce­di­dos a es­tran­gei­ros que apli­cam no país. Após o en­con­tro, hou­ve uma mu­dan­ça no com­por­ta­men­to das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras que ad­mi­nis­tram es­tes fun­dos. Em 2014, por exem­plo, a re­ten­ção de IRPF nes­sas ope­ra­ções so­mou R$ 312 mi­lhões e, em 2017, su­pe­rou R$ 1,5 bi­lhão.

No ano pas­sa­do, con­for­me no­ti­ci­a­do pe­lo Va­lor, a Re­cei­ta re­a­li­zou uma reu­nião com as mai­o­res ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras do país pa­ra co­mu­ni­car que iden­ti­fi­cou “for­tes in­dí­ci­os” de frau­de tri­bu­tá­ria en­vol­ven­do al­guns in­ves­ti­men­tos de não re­si­den­tes no Bra­sil. As in­ves­ti­ga­ções in­di­ca­vam que vá­ri­os in­ves­ti­do­res po­de­ri­am ser, na ver­da­de, bra­si­lei­ros em bus­ca dos be­ne­fí­ci­os fis­cais con­ce­di­dos a es­tran­gei­ros que apli­cam no país. Após o en­con­tro, hou­ve uma mu­dan­ça no com­por­ta­men­to das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras que ad­mi­nis­tram es­tes fun­dos. Em 2014, por exem­plo, a re­ten­ção de IRPF nes­sas ope­ra­ções so­mou R$ 312 mi­lhões e, em 2017, su­pe­rou R$ 1,5 bi­lhão.

Tam­bém es­tão entre as ope­ra­ções re­la­ci­o­na­das a pla­ne­ja­men­to abu­si­vo os ca­sos de ágio com uti­li­za­ção de “em­pre­sa veí­cu­lo”; tri­bu­ta­ção de ba­ses uni­ver­sais (TBU) em in­cor­po­ra­ções; e tri­an­gu­la­ção nas ex­por­ta­ções. No pri­mei­ro ca­so, Martins ex­pli­cou que mui­tas com­pa­nhi­as es­tão so­fis­ti­can­do o mo­de­lo pa­ra evi­tar a ca­rac­te­ri­za­ção de em­pre­sa de pas­sa­gem. Pa­ra is­so es­tão usan­do em­pre­sas ver­da­dei­ras co­mo veí­cu­lo de in­ves­ti­men­to, com re­cei­tas, des­pe­sas, exer­cen­do ati­vi­da­de há vá­ri­os anos, mas que não são os ver­da­dei­ros in­ves­ti­do­res ope­ra­ci­o­nais. Só nes­sa fis­ca­li­za­ção, a Re­cei­ta cons­ti­tuiu mais de R$ 10,7 bi­lhões em 69 au­tu­a­ções entre 2012 e 2017.

Tam­bém es­tão entre as ope­ra­ções re­la­ci­o­na­das a pla­ne­ja­men­to abu­si­vo os ca­sos de ágio com uti­li­za­ção de “em­pre­sa veí­cu­lo”; tri­bu­ta­ção de ba­ses uni­ver­sais (TBU) em in­cor­po­ra­ções; e tri­an­gu­la­ção nas ex­por­ta­ções. No pri­mei­ro ca­so, Martins ex­pli­cou que mui­tas com­pa­nhi­as es­tão so­fis­ti­can­do o mo­de­lo pa­ra evi­tar a ca­rac­te­ri­za­ção de em­pre­sa de pas­sa­gem. Pa­ra is­so es­tão usan­do em­pre­sas ver­da­dei­ras co­mo veí­cu­lo de in­ves­ti­men­to, com re­cei­tas, des­pe­sas, exer­cen­do ati­vi­da­de há vá­ri­os anos, mas que não são os ver­da­dei­ros in­ves­ti­do­res ope­ra­ci­o­nais. Só nes­sa fis­ca­li­za­ção, a Re­cei­ta cons­ti­tuiu mais de R$ 10,7 bi­lhões em 69 au­tu­a­ções entre 2012 e 2017.

Fonte: Valor Econômico