O Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade do Vale do Taquari-RS (Sincovat) sediou o encontro de 110 profissionais de diversas regiões do Estado com representantes do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul (CRCRS), dentre os quais a presidente Ana Tércia Lopes Rodrigues, vice-presidentes, conselheiros e delegados.

Segundo Ana, a proposta do evento CRC & Você é facilitar o acesso à entidade, esclarecer questões que impactam no trabalho diário e demonstrar, de forma transparente, as ações desenvolvidas em prol da classe contábil. A programação também foi acompanhada pela presidente do Sincovat-RS, Cíntia Fortes; presidente da Aescon, Claudir Kuhn; presidente da Federacon-RS, Fernando Spiller; e representante regional do Sescon-RS, Jandir Dickel.

A presidente do CRCRS iniciou o painel abordando temas que, na sua avaliação, são os mais polêmicos no momento, como é o caso da Junta Comercial. De acordo com ela, o Conselho vem acompanhando e debatendo constantemente com o órgão itens como registros, protocolos, baixas e encaminhamentos, a fim de garantir que as coisas fluam de forma a não prejudicar os negócios e o ambiente empreendedor. Outro assunto que vem gerando desgaste para os contadores diz respeito à Secretaria da Fazenda do RS e ao ICMS-ST. Ao esclarecer que hoje o governo passou a tratar de forma isolada cada setor da economia, Ana afirmou que os responsáveis pela área tributária do Conselho mantêm contato direto com o secretário e o adjunto para repassar demandas e pedidos de alterações.

“Estamos buscando essa interferência e apontando quais são aquelas medidas importantes no sentido de viabilizar e de não criar problemas e entraves para a implementação desses procedimentos”, explicou. Já no âmbito da Receita Federal, a discussão atual é sobre o fechamento das delegacias em regiões do Estado e a transição para os procedimentos digitais, fatos que têm trazido muitas dúvidas e dificuldades aos profissionais. Por isso o Conselho participa ativamente de encontros com a instituição federal para mostrar qual o posicionamento e as necessidades da classe contábil.

Ana também citou que outro tema preocupante e que tem agitado as conversar do setor é a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 108/2019, que dispõe sobre a natureza jurídica dos conselhos de profissões regulamentadas. Conforme a presidente, a maioria das entidades é contrária, mas o Conselho Federal de Contabilidade tem uma postura diferente, pois acredita que ela não é totalmente ruim e tem aspectos que podem vir a ser positivos.

Segundo ela, a contabilidade não corre esse risco porque é uma profissão que faz a diferença na sociedade e que a falta de regulação pode trazer prejuízos à economia e à ordem pública. “A gente não sabe o que vai acontecer. É provável que para muitas profissões caia a obrigatoriedade do registro. É um cenário incerto, ameaçador, mas ao mesmo tempo é um cenário que pode trazer muitas oportunidades e a principal que a gente vislumbra é na questão da gestão dos conselhos”, comentou.

O público ainda questionou Ana sobre a nova sede da entidade e ela confirmou que foram feitos todos os procedimentos de aquisição do novo imóvel e que a previsão de transferência é entre os próximos dois meses. “A ideia dessa mudança é partir para um novo conceito de estrutura física que nos atenda e atenda às necessidades da classe contábil nos próximos 30 anos”, descreveu. Alertando para que profissionais valorizem a atuação de credibilidade do CRCRS, a presidente finalizou: “Que o Conselho de Contabilidade continue honrando sua história, prosperando e prestando bons serviços para a sociedade e para toda a classe contábil”.

Dentro da programação do encontro e aproveitando a presença da presidente Ana Tércia, foram entregues as carteiras de identidade profissionais a 10novos contadores habilitados para o desempenho das atividades. A presidente do Conselho destacou a importância do momento e da alegria por acolher novos contadores e enalteceu o quanto a profissão é apaixonante para quem consegue compreender sua verdadeira missão.

Fonte: Jornal do Comércio