Em 2019, quando se pensa em Dia do Contador, logo nos vem à mente tecnologia. Sim, as inovações tecnológicas afetaram todas as profissões, mas sobremaneira a Contabilidade. Importante: o conhecimento técnico do Contador é insubstituível.
Precisamos estar preparados para enfrentar as mudanças e saber se beneficiar delas, sempre tendo claro que nada mais será do jeito que era antes.
Steven Kotler e Peter Diamandis, autores do livro Abundância, ousam prever as perspectivas positivas de um futuro melhor do que imaginamos, no qual os recursos, outrora escassos, se tornarão abundantes pelo uso das tecnologias – que nos falte ignorância e nos sobre sabedoria. Aqui, não estamos falando só de tecnologia, mas da forma como as inovações ditam tendências, afetam comportamentos, orientam relacionamentos e alteram crenças.
Diante dessa turbulência econômica, ambiental, cultural, política e tecnológica, buscamos encontrar um propósito que nos faça seguir em frente, reafirmando nossas escolhas e convicções na profissão contábil.
Como contadora, percebo a cada dia mais perspectivas positivas na nossa profissão. Se queremos um futuro promissor, precisamos começar a construí-lo, e o primeiro passo é mudar a forma como enxergamos a profissão contábil.
Nem Lucca Paccioli, no longínquo ano de 1494, imaginou que a sua metodologia atravessaria tantos séculos, e marcaria a vida de tantas gerações de contadores. Pasmem, já tem até robô debitando e creditando. E quando o último robô tiver aprendido toda a lógica do débito e do crédito, pelo método das partidas dobradas, quando a inteligência artificial tiver mapeado todos os cálculos fiscais tributários e o eSocial for só uma mera lembrança do tempo em que nos importávamos demais com coisas banais, ganharemos muito dinheiro assessorando empresas a expandir seus negócios, diversificar investimentos e escolher sistemas avançados de projeção de dados para melhorar performance competitiva.
Haverá um tempo em que sairemos da cama felizes para visualizar os holográficos com as indicações exatas do momento em que o ponto de equilíbrio será atingido e o retorno do investimento recalculado em segundos com os novos parâmetros estabelecidos.
Enquanto esse dia não chega, precisamos conviver e lutar contra a exploração indevida do conhecimento contábil por instituições que subjugam nossa capacidade de indignação e mobilização, negligenciando a ética de toda uma categoria profissional em flagrante conflito de interesses. Mas, vamos aproveitar a oportunidade de vivenciarmos esse novo paradigma no ambiente de negócios, embalados pelos modernos conceitos de liberdade econômica. Uma mudança de olhar, materializada em Medida Provisória, transformou o empreendedor em um ser confiável, até prova em contrário. Até hoje, a lógica esteve invertida, precisamos o tempo todo provar que somos honestos, a base de muita burocracia.
A tecnologia resolve isso rapidamente com certificações digitais, leitoras de íris, autenticações biométricas, reconhecimento facial, e toda sorte de dispositivos.
Já estamos diante da realidade de não precisar mais caneta para assinar documentos e demonstrações contábeis, inovação trazida pela certificação digital e suas chaves de segurança.
Enfim, vamos aproveitar todas as perspectivas que os novos tempos nos trazem, por que toda a ameaça carrega em si a semente da oportunidade. Somos contadores com muito orgulho, cientes da nossa missão de transformar sonhos e projetos empreendedores em negócios de sucesso.
Este ano, em especial, dedico o Dia do Contador a dois profissionais de competência inigualável, que de forma incansável souberam representar e servir à classe contábil: Paulo Walter Schnorr e Antônio Carlos Palácios.
Presidente do CRCRS

This article has 2 comments

  1. Jorge Oliveira Reply

    Parabéns pelo Dia do Contador!
    Sucesso e Progresso, sempre!

    Parabéns igualmente pela matéria. Mas quando os sistemas virtuais automatizados tomarem conta da contabilidade das empresas, o que farão da vida os tão necessários, hoje, auxiliares de contabilidade? Eles, seus filhos as vezes pais com magras aposentadorias de salário mínimo congelado, como irão se alimentar?

    Veremos isso mais à frente, num mundo em que a população não para de aumentar seu número de cabeças viventes.

    • Mauro Negruni Reply

      Prezado Jorge,

      A dura realidade é que boa parte do trabalho braçal de muitas profissões será substituída por robôs. Não há o que se possa fazer. Assim a recomendação é nunca parar de estudar e aprender para estar à frente dos nossos concorrentes cibernéticos!

Comente aqui:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.