Ação que trata de benefícios fiscais deve ser julgada na próxima quarta-feira pelo Supremo Tribunal Federal

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) anunciou que vai participar como amicus curiae (amigo da Corte) do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) da Ação Direta de Inconstitucionalidade 5.553/DF, previsto para a próxima quarta-feira (19/2).

A ação, que trata de benefícios fiscais concedidos aos agrotóxicos, é movida pelo PSOL e questiona dois dispositivos legais que concedem benefícios fiscais aos agrotóxicos: o Decreto 7.660/11 e o Convênio 100/97 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

De acordo com nota do Idec divulgada nesta quinta-feira (13/2), os benefícios fiscais “violam o princípio da defesa do consumidor previsto na Constituição Federal que visa proteger a vida e a saúde da população”. “O Estado deveria agir no sentido de minimizar o uso de agrotóxicos e não de aumentar”, reforça o Idec, na nota.

“Tal ação desincentiva o desenvolvimento de alternativas técnicas para a produção agrícola e não estimula produtores a migrarem para modelos menos nocivos. Como resultado, esses benefícios fiscais intensificam a oferta de alimentos nocivos à saúde no mercado de consumo brasileiro”, continua a advogada do Idec, Mariana Gondo.

Impacto bilionário

Segundo estudo da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), feito por pesquisadores da Fiocruz e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRJ), o valor que o governo federal e os Estados deixam de arrecadar com a isenção fiscal aos pesticidas é equivalente a quase quatro vezes o orçamento previsto para o Ministério do Meio Ambiente para 2020, um total de R$ 2,7 bilhões.

Neste contexto, a advogada popular da Terra de Direitos e integrante da Campanha Contra os Agrotóxicos e pela Vida, Naiara Bittencourt, aponta ainda ser um “contrassenso” que, em um momento de extrema política de austeridade e de corte de direitos sociais, se manterem benefícios a produtos que “comprovadamente causam inúmeros danos e impactos à saúde humana e à biodiversidade brasileira”.

O Greenpeace também engrossa o coro dessas entidades e redigiu uma manifestação técnica para o STF mostrando a visão sobre o modelo agrícola brasileiro e os agrotóxicos.

Fonte: Globo Rural 

Comente aqui:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.