As primeiras sugestões de entidades ligadas ao setor produtivo gaúcho para a Reforma Tributária apresentada pelo governador Eduardo Leite na semana passada começaram a ser debatidas. Desde a última quarta-feira, 22, encontros virtuais setoriais contaram com a presença de gestores da Secretaria da Fazenda, Gestão e Procuradoria-Geral do Estado, além das entidades que apresentaram algumas das suas ponderações, como Fecomércio, Fiergs, Federasul e Farsul, em reuniões individuais e de acordo com as prioridades de cada segmento.

Durante a semana, a Secretaria da Fazenda também participou de reuniões para tratar da primeira fase da proposta de Reforma Tributária Federal, detalhada pelo Ministério da Economia. A proposta que trata da unificação de dois tributos federais e de medidas de simplificação não afeta em nada o trâmite do projeto do Rio Grande do Sul, que terá, nos próximos dias, intensificação do diálogo com a sociedade.

Os presidentes das entidades representativas da economia do Estado estiveram acompanhados de vice-presidentes, coordenadores técnicos e assessorias para apresentar suas primeiras análises sobre o conjunto de informações apresentadas pelo governo, que incluem minutas de textos a serem encaminhadas para a Assembleia nas próximas semanas.

O secretário Marco Aurelio Cardoso explicou que o objetivo dessas primeiras reuniões é ouvir, entender como cada entidade avalia o conjunto de propostas e avançar ao limite do possível das análises a partir das sugestões que começam a ser apresentadas. “Esse é o mesmo processo de diálogo conduzido pelo governador nas demais reformas, com fases de discussão com a sociedade até chegarmos aos projetos finais que serão encaminhados à Assembleia. Temos convicção de que a Reforma Tributária representa um grande avanço para a economia gaúcha, com mais simplificação, competitividade e justiça tributária, preservando, também, os atuais patamares de arrecadação.

Entre os pontos destacados pelo secretário Claudio Gastal nos encontros estão a amplitute e a consistência do projeto. “É uma reforma que desde a sua concepção atua sobre os grandes problemas do sistema tributário do Estado. Precisamos ver os benefícios globais desse projeto, que somam-se a outras medidas estruturantes, como as reformas administrativa e previdenciária, privatizações e concessões, sobre as quais seguimos igualmente avançando”, afirmou.

Fonte: SEFAZ RS

Comente aqui:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.